Direito, Literatura e Cinema: a interdisciplinaridade e a força das narrativas

As relações entre as manifestações artísticas e a atuação dos profissionais do Direito é o tema da disciplina Direito, Literatura e Cinema, ministrada pelas professoras do Mestrado em Direito da UniFG Angela Espindola e Henriete Karam em uma parceria entre o PPGD UniFG e os PPGDs da UNAERP, FDV e Unisinos.

A disciplina foi oferecida pela primeira vez, na modalidade intensiva, e contou com algo inédito: além dos estudantes presentes em sala, os alunos de doutorado e mestrado dos programas parceiros puderam assistir as aulas à distância, através de teleconferência. Na semana intensa de aulas, foram abordados o surgimento dos estudos em direito e literatura nos Estados Unidos, Europa e América Latina e as diversas possibilidades metodológicas, sob um viés interdisciplinar.

De acordo com a Profa. Henriete Karam, o objetivo da disciplina é estudar a interlocução do Direito com as narrativas literária e fílmica, “não só buscando nestas aqueles enredos que envolvam personagens ou situações vinculadas ao Direito, como um filme relacionado ao júri ou à justiça, mas também, a partir de determinados problemas e questões que uma narrativa levanta, questionar e problematizar o Direito”. Desta forma, afirma, busca-se refletir sobre de que maneira o Direito está respondendo ou porque não está respondendo a determinadas questões de vulnerabilidade social.

A Profa. Angela Espindola explica que através dos estudos interdisciplinares, é possível reconhecer que o direito é um fenômeno linguístico, bem como sua natureza narrativa e seu caráter ficcional. “Tentamos fazer um trabalho bastante indisciplinar, utilizando o cinema, obras de arte do Renascimento até o Surrealismo, contos, poesia, e extraindo dali elementos necessários não só para formar e forjar a habilidade do jurista, mas também compreender o próprio Direito como uma narrativa”.

Clara Medeiros é estudante de Cinema e Audiovisual na UESB e matriculou-se na disciplina Direito, Literatura e Cinema para aprofundar seus estudos em narrativas. “Me interessei principalmente porque meu foco é na narrativa cinematográfica e tem sido muito enriquecedor olhar de uma outra forma para as narrativas, como elas são construídas no Direito, por exemplo”.

A disciplina foi ministrada entre os dias 9 e 13 de março, nos turnos matutino e vespertino, na sala Anísio Teixeira do campus São Sebastião.