Egressa do curso de farmácia da UniFG apresenta dissertação de Mestrado sobre prevalência de danos causados por erros de medicação

Publicado em 16 de abril de 2018.


Embora instituições de segurança do paciente definam os Medicamentos Alta Vigilância (MAVs) como aqueles que apresentam risco aumentado de provocar danos significativos aos pacientes em decorrência de falha no processo de utilização, há poucos estudos científicos que comprovem a prevalência dos danos devidos erros com MAVs. Este tema foi o objeto de pesquisa da farmacêutica Bárbara Manuella Sodré, egressa da UniFG.

A pesquisa, orientada pelo Prof. Dr. Alfredo Dias de Oliveira Filho, foi desenvolvida no Programa de Pós-Graduação em Ciências Farmacêuticas, da Universidade Federal de Sergipe (UFS). Foram analisadas as evidências na literatura científica sobre a prevalência e os tipos de danos que os pacientes hospitalizados estavam expostos ao experimentarem Erros de Medicação com Medicamentos de Alta Vigilância.

O objetivo foi determinar a prevalência dos danos aos pacientes envolvendo MAVs em decorrência de erros de medicação (EMs) em hospitais e recomendações para realizar estudos que identifiquem danos causados por EM e quanto as listas de MAVs.

Segundo a pesquisa, a prevalência geral de danos decorrentes de EMs envolvendo MAVs foi de 16,3%. Menos de 0,01% dos EMs envolvendo MAVs resultaram em morte. Foram reportados danos como hipotensão, hipoglicemia, hiperglicemia, hemorragia, parada cardíaca, acidente vascular cerebral, hospitalização prolongada, coma, lesão permanente e morte.

Os medicamentos mais relacionados aos danos foram cloreto de potássio a 15%, insulina, anticoagulantes, epoprostenol, anestésicos. As recomendações propostas no capítulo dois incluem métodos para realização de estudo que identifiquem danos provocados por EMs e refoça a importância das unidades hospitalares criarem suas próprias listas de MAVs.

“Os dois anos de dedicação exclusiva para o mestrado acadêmico, me proporcionaram crescimento profissional como farmacêutica, pesquisadora e docente, de modo que agregou muitos conhecimentos sobre as diversas áreas de atuação do farmacêutico. Nesse período tive oportunidade de aprofundar meus conhecimentos sobre as politicas de segurança do paciente em todo o mundo. Todas experiências foram tão enriquecedoras, que pretendo continuar a carreira de pesquisadora, realizando doutorado”, afirmou Bárbara Sodré.